Transformação digital no mercado financeiro: entenda melhor as mudanças
Gestão de Empresas Transformação Digital

Transformação digital no mercado financeiro: entenda melhor as mudanças

Escrito por Leucotron

As companhias de diversos setores já começaram a se adaptar às novas tecnologias do mercado. Agora, os clientes começam a perceber a transformação digital no mercado financeiro. O processo foi acelerado com o surgimento das fintechs, que oferecem serviços ágeis e automatizados.

Com isso, os bancos tradicionais também precisaram se adaptar à nova realidade. Quer entender melhor sobre essa revolução no setor e quais as principais mudanças que estão a caminho? Acompanhe!

Entenda como ocorreu o processo de transformação digital no mercado financeiro

Os smartphones conquistam cada vez mais a atenção de jovens e adultos. Eles já funcionam como extensões do corpo humano com funcionalidades como: lembretes de tarefas, agenda de compromissos, aplicativos de mensagens, promoções em restaurantes e acesso à conta corrente.

As fintechs surgiram a partir desse contexto, para oferecer uma transformação digital no mercado financeiro. O Nubank, por exemplo, ganhou expressão ao disponibilizar um serviço eficiente e com baixo custo para o usuário.

O interessado pode solicitar um cartão de crédito e, se for aprovado, recebe o documento em sua casa. O desbloqueio é realizado pelo próprio aplicativo, assim que o cliente o solicita. Ele ainda consegue pedir para alterar o limite de crédito e fazer o pagamento da fatura antes do prazo previsto.

Ou seja, o usuário tem autonomia sobre os seus gastos, utiliza uma plataforma amigável e tem todas as suas demandas atendidas. Diante disso, ele precisa de mais alguma coisa?

Com o aumento da concorrência em função da criação de fintechs, os bancos tradicionais precisaram se modernizar também. O Itaú, por exemplo, criou o Cubo — um ambiente de coworking para incentivar a troca de ideias. O Bradesco deu origem ao InovaBRA, um ecossistema de inovação. Além disso, a instituição criou o Next — uma versão digital do banco com uma mensalidade mais acessível para os usuários.

O banco Inter, de Minas Gerais, seguiu o caminho do Nubank e criou um ambiente 100% digital para conseguir manter e atrair novos clientes. A conta é gratuita e oferece serviços online tanto para pessoas físicas como para jurídicas. Outras instituições financeiras tradicionais começaram a seguir o mesmo caminho, muitas vezes, buscando parcerias com fintechs.

Logo, é possível perceber que os bancos estão se adaptando às mudanças tecnológicas para oferecer mais facilidades aos clientes e “não serem atropelados pela onda”.

Por isso, é comum você visualizar poucos jovens em agências bancárias, pois eles passaram a frequentar os bancos apenas para realizar o saque de dinheiro ou efetuar depósitos. Afinal, eles já perceberam as vantagens da transformação digital no mercado financeiro.

Conheça as principais mudanças no setor

Diante desse contexto, você pode perceber que as instituições financeiras precisam pensar, cada vez mais, em estratégias para oferecer facilidades aos clientes no dia a dia, por meio da tecnologia. Conheça as principais mudanças que estão acontecendo:

Atendimento de melhor qualidade

Uma grande mudança que já é percebida por muitos usuários é o atendimento digital, tanto em bancos tradicionais como nas fintechs. O Banco do Brasil, por exemplo, fechou mais de 400 agências físicas em 2017 e redirecionou muitos clientes para o atendimento online.

Guia completo para otimizar a comunicação em escritório de advocaciaPowered by Rock Convert

Por meio do aplicativo, o cliente consegue enviar mensagens para o gerente da conta a fim de esclarecer dúvidas ou resolver problemas. Isso garante mais agilidade no atendimento e evita que o usuário precise se deslocar até um estabelecimento.

Seguindo essa tendência de bate-papo virtual, o chatbots deve conquistar mais espaço nos próximos anos. Ele é uma ferramenta que permite a conversa com os clientes por meio de robôs, que respondem às solicitações dos usuários.

O serviço utiliza a inteligência artificial para desenvolver uma conversa com o consumidor, permitindo que o robô interprete textos e dê sugestões aos clientes. Esse modelo propicia que a instituição bancária ofereça um atendimento ágil e eficaz, diminuindo o tempo de resposta e a necessidade de deslocamento para instituições bancárias físicas.

Processos menos burocráticos

Mais uma vez o Nubank é destaque no assunto. Em 2017 ele lançou o “NuConta”, uma conta corrente em que os clientes não precisavam enviar cópias de documentos e comprovantes de endereço para abrirem uma conta. E, ainda, não é necessário pagar anuidade do cartão. A intenção é democratizar o acesso à conta corrente pela população brasileira.

Logo, a fintech brasileira fez mais uma revolução nos processos ao reduzir a burocracia para abertura de contas e obtenção de crédito. O atendimento é 100% digital, desde o momento da solicitação até a realização de transações bancárias.

Desenvolvimento de novas tecnologias

Cada instituição bancária desenvolve o seu modelo próprio de tecnologia para atender os clientes. Contudo, a tendência é que todas ofereçam plataformas completas, incluindo desde o acesso a saldos, transferências e investimentos.

Desse modo, os bancos podem se espelhar em ferramentas como o Guia Bolso, que facilita o acompanhamento da utilização de recursos financeiros. A solução ainda apresenta propostas de empréstimos com base em análises de crédito de acordo com o perfil do usuário. Tudo é feito de modo online, em poucos minutos.

Transparência nos processos

Ao possibilitar o acesso às contas bancárias por meio de aplicativos, as instituições financeiras também precisam gerir os processos com maior transparência. Isso porque o cliente consegue acompanhar as movimentações, verificar o saldo diariamente e todas as cobranças de taxas.

A concorrência entre fintechs e os bancos tradicionais também faz com que as instituições precisem se adaptar aos modelos de consumo, adotando princípios éticos e sociais. Afinal, agora o poder de decisão e negociação está na mão do consumidor.

Sendo assim, as instituições que forem transparentes e oferecerem preços mais justos terão maiores chances de conquistar espaço entre os consumidores, principalmente os mais jovens. Será preciso ajustar as estratégias de negociação, as taxas aplicadas e os demais serviços para oferecer um atendimento que atenda às exigências do cliente da era digital.

Viu como a transformação digital no mercado financeiro pode mudar a forma de relacionamento entre os bancos e seus clientes? Quanto mais a sua empresa estiver preparada, melhor ela poderá lidar com essa situação.

Gostou do nosso artigo? Assine a nossa newsletter e receba conteúdos sobre tecnologia e inovação em seu e-mail!

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert

Deixar comentário.

Share This