Segurança de dados: saiba como manter as informações da sua empresa seguras
Gestão de Empresas

Segurança de dados: saiba como manter as informações da sua empresa seguras

Escrito por Leucotron

Você sabe qual é o ativo mais valioso de uma empresa atualmente? Se você respondeu que é a informação, parabéns! De fato, hoje em dia, uma empresa que cuida bem das suas informações já está na frente das suas concorrentes. Mas você sabe como garantir a segurança de dados corporativos?

Antes de responder a essa pergunta, vamos falar um pouco sobre a importância desse tema. A segurança da informação vem ganhando enorme relevância nas organizações, justamente pelo valor que os dados que circulam dentro da empresa assumiram nos últimos anos.

Com a enorme concorrência do mercado, seja em qualquer segmento de atuação, saber informações sigilosas sobre um concorrente pode significar um triunfo fundamental na guerra por clientes. E, dentro das empresas, circulam milhares de informações sobre negócios, aspectos financeiros, informações de clientes etc.

Tudo isso deve ser protegido pela Segurança da Informação, que trabalha com três princípios básicos:

  • confidencialidade: o acesso aos dados da empresa deve ser restrito somente a quem é autorizado;

  • integridade: sem a proteção ideal, as informações da organização podem ser acessadas e modificadas por hackers. Mas também podem haver acidentes, causados pela distração de algum colaborador, o que pode levar a empresa a ter enormes prejuízos;

  • disponibilidade: os dados devem estar disponíveis durante todo o tempo, para serem usados como fonte de informação para a tomada de decisões.

Portanto, agora já podemos começar a responder a pergunta feita lá no final do primeiro parágrafo. Vamos falar sobre como você pode garantir a segurança dos dados corporativos da sua empresa:

Digitalização de documentos

Antigamente, as empresas trabalhavam, basicamente, com documentos em papel. Com isso, pilhas e pilhas de documentação, com informações absolutamente relevantes sobre o negócio, eram acumuladas todos os dias. Todo esse material era guardado em arquivos, sujeito a ação do tempo ou acidentes como enchentes ou incêndios. E não era um fato incomum de acontecer.

Não há mais motivos para uma empresa guardar informações em papel. Digitalizar documentos estratégicos está fortemente ligado aos três princípios da segurança da informação. Os dados ganham sigilo necessário, estão sempre disponíveis e dificilmente são perdidos por qualquer motivo.

Com isso, você ganha em eficiência organizacional e tem uma base mais sólida para tomar decisões importantes, que podem ser fundamentais para o futuro da empresa.

E, ainda, há um importante aspecto de imagem: uma empresa que utiliza o armazenamento digital, passa para o cliente mais credibilidade e uma forte imagem de organização e modernidade. E isso é fundamental para concorrer no mercado atual.

Armazenamento de dados em nuvem

Agora que você já entendeu a importância de digitalizar os documentos da sua empresa, é hora de falarmos sobre o armazenamento desses dados. Afinal de contas, as informações continuarão sendo geradas e são cada vez mais importantes para o seu negócio. E, com isso, fica a pergunta: como arquivá-las corretamente?

Se você já está preocupado com a necessidade de adquirir servidores privados, fique tranquilo. Isso já não é mais necessário. Atualmente, as empresas trabalham com o armazenamento de dados em nuvem, uma maneira mais segura e prática de se trabalhar com informações sigilosas e estratégicas.

Os servidores privados eram prática comum quando a tecnologia começou a despontar nas organizações. Sem outra opção, eles foram um instrumento importante e eficiente para se fazer o armazenamento de dados. Mas logo se viu que esses servidores não poderiam ser a solução definitiva.

Além de caros, possuíam uma manutenção complicada, ocupavam um enorme espaço e precisavam de uma equipe especializada para lidar com eles no dia a dia.

Os serviços de armazenamento de dados em nuvem, chamados de Cloud Computing, estão disponíveis para qualquer empresa, a um preço acessível e quase sem custo de manutenção. Garantem a disponibilidade integral dos dados, a segurança e o sigilo das informações e permitem que elas sejam acessadas de qualquer lugar, podendo ser utilizado qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Uso de pendrives e outras mídias móveis

O uso de pendrives e outras mídias móveis como CD’s ou DVD’s é um fator que oferece risco à segurança, pois esses dispositivos são pequenos, baratos e são fáceis de serem perdidos ou roubados.

É preciso que a empresa defina uma forte política de segurança da informação, que regulamente o uso desse tipo de mídia pelos funcionários. Uma das soluções para esse problema está, justamente, na adoção de um sistema de Cloud Computing, que garante o acesso às informações pela própria rede organizacional, muito mais segura e disponível.

Forte política de senhas

De nada vai adiantar você adotar uma política de segurança da informação e investir em digitalização e Cloud Computing, se não houver uma orientação aos funcionários focada na importância do cuidado na criação e manutenção de senhas corporativas.

O ideal é que, além de orientar, você crie barreiras para a criação dos códigos e tenha um cronograma que lembre aos colaboradores de atualizarem as suas senhas periodicamente. O ideal é que o próprio sistema barre o acesso de quem não fizer a atualização obrigatória.

Treinamentos para a equipe

Tanto para lidar com informações estratégicas, como para saber sobre a importância de garantir a segurança dos dados, é necessário que você possua um programa de treinamentos específico para a equipe.

Muitas empresas cuidam de perto da capacitação dos profissionais de TI, mas se esquecem de pensar em treinamentos que envolvam os funcionários que lidam com os dados diariamente. É muito importante que o RH da sua empresa esteja atento a isso.

Aplicativos de segurança

Para finalizar, não existe maneira mais adequada de se manter a segurança dos dados da sua empresa do que construir um bom pacote de aplicativos. Para isso, é necessário que você adote um antivírus eficiente, tenha um bom firewall e esteja sempre atualizado com as melhores e mais eficazes práticas de mercado nessa área.

A melhor maneira de garantir isso é investir em uma equipe de profissionais de TI antenada e aberta às principais novidades da sua área de atuação.

Situações em que uma estratégia de segurança de dados influenciará resultados da empresa

Existem algumas situações de risco que são contornadas por uma boa estratégia de segurança de dados, especialmente se ela for composta pelos itens mencionados acima. Para exemplificar em quais contextos isso é útil, separamos adiante uma lista com alguns dos principais problemas que podem ser evitados:

Invasões aos computadores

Em maio de 2017, diversas companhias de pelo menos 150 países, nos cinco continentes, sofreram um ciberataque criminoso em massa, que sequestrou computadores e impossibilitou que colaboradores obtivessem acesso a seus sistemas e dados. Os prejuízos financeiros foram amplos, já que processos e atividades inteiras foram interrompidas.

De acordo com a pesquisa International Business Report da Grant Thornton – The Global Impact of Cyber Crime, em 2016 os prejuízos globais decorrentes de ataques no meio digital foram de US$ 280 bilhões. Esses dados foram obtidos junto a 2500 líderes de organizações proveniente de 36 economias.

Para mitigar riscos de invasões virtuais, é fundamental contar com uma boa estratégia de segurança de dados que fortalece os sistemas corporativos, já que esses incidentes têm aumentado ao longo dos anos no mundo todo.

Fraudes

Fraudes também são um problema comum dentro das empresas. Boa parte delas é decorrente de acessos ilícitos a dados corporativos ou devido a ataques virtuais que capturam informações sigilosas. Por exemplo, muitas fraudes acontecem com o emprego das identificações de usuários (funcionários, parceiros ou prestadores de serviços) que não se encontram mais na empresa.

Para evitar esses acessos não autorizados, cada colaborador deve ter identificação intransferível, única e válida somente durante o tempo em que ele trabalhar na empresa, ou seja, enquanto estiver ativo no ambiente da informação. A utilização da identificação do usuário por outra pessoa, mesmo que um colega, deve ser proibida para evitar fraudes desse tipo.

Além disso, muitas fraudes podem ocorrer devido a vazamentos de informações pessoais de clientes e colaboradores da empresa, especialmente após ataques virtuais. Dados de contatos, números de documentos, senhas, entre outros conteúdos que estejam com criminosos podem ser empregados para roubos de identidades e acessos a sistemas sigilosos, trazendo sérios problemas às pessoas lesadas.

Isso dá margem a processos judiciais contra a organização pela negligência e ineficácia no armazenamento e proteção das informações pessoais.

Sequestro de dados

O ataque de 2017 mencionado acima ocorreu com base na técnica de ransomware, em que “ransom” quer dizer “resgate” e “ware” é proveniente do sufixo de “Malware”. Normalmente, nesse tipo de ação um vírus criptografa os dados existentes em um computador.

Esse terminal, por sua vez, passa a mostrar na tela um pedido de resgate, com uma quantia que deve ser paga para que os dados sejam descriptografados. Após isso, eles poderão serem acessados e utilizados novamente.

O vírus empregado nesse grande ataque virtual, conhecido como Wannacry, chegou também ao Brasil. Ele afetou empresas de vários segmentos, inclusive órgãos públicos, como o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) e alguns tribunais.

Armazenamento e troca de informações sigilosas sobre clientes

É essencial empregar uma tecnologia de criptografia no armazenamento e troca de dados e informações sigilosas sobre clientes, especialmente em e-mails e mensagens instantâneas. Desse modo, dá para se elevar a confidencialidade, bem como prevenir que esses conteúdos sejam interceptadas por cibercriminosos.

Caso contrário, poderá ter problemas semelhantes ao ocorrido com a Sony em 2014, época em que hackers invadiram os sistemas da companhia e vazaram informações sigilosas de colaboradores, como números da previdência social e salários. Isso gerou sérios problemas ao RH corporativo e à empresa como um todo. Além desses dados, foram divulgados filmes que nem haviam sido lançados. No geral, o ataque ocasionou à Sony uma perda de aproximadamente US$ 200 milhões.

Transações financeiras

Cibercriminosos empregam várias estratégias para invadir sistemas corporativos, visando ao roubo de dados sigilosos. Desse modo, conseguem informações ou executam ações que desviam quantias monetárias em ambientes digitais, como aconteceu com o banco central de Bangladesh no começo de 2016.

Na época, US$ 81 milhões foram desviados, porém o prejuízo financeiro poderia ter ultrapassado 1 bilhão caso não tivesse acontecido um erro em uma palavra utilizada em um código dos hackers. Além disso, esse incidente gerou prejuízos à segurança do sistema SWIFT, o qual é responsável pelo gerenciamento de operações financeiras e bancárias a nível global.

Não são só os bancos correm riscos, pois qualquer empresa que atua com transações financeiras está sujeita a ataques virtuais. Por exemplo, problemas podem ocorrer em operações feitas com cartões de créditos, em boletos, nas transferências bancárias etc. Cibercriminosos necessitam apenas de uma brecha nessas transações para causarem danos para os negócios.

Derrubada de sistemas

Existe um tipo de ataque que causa muitos transtornos para as empresas: negação de serviço (DDoS). Incidentes com esse tipo de ataque se popularizaram no país, tanto que, de acordo com uma pesquisa realizada no último trimestre de 2015, pela empresa de segurança digital Nexusguard, o Brasil ficou na sexta posição global de eventos do tipo. No geral, ocorreram 3690 ações identificadas.

Nessa modalidade, as invasões são feitas por vários computadores que, por meio de uma ação coordenada, atacam ao mesmo tempo um sistema. O propósito é sobrecarregá-lo, tornando-o indisponível para os usuários. Além disso, o maior risco é o que vem depois, já que a negação de serviço funciona como uma distração para uma invasão mais específica e perigosa.

O ataque DDoS é capaz de afetar portais, sites, serviços online, entre outros serviços e páginas onlines, que são retirados do ar. Com alguns desses sistemas offlines, abrem-se brechas para invasões virtuais, além de a empresa ter prejuízos devido aos serviços inativos. Isso pode ser extremamente prejudicial para organizações que dependem de soluções e plataformas digitais onlines.

É preciso destacar que outro transtorno comum após ataques virtuais é o retrabalho, afinal, muitos incidentes são capazes de danificar equipamentos, excluir dados ou corromper informações.

Dessa forma, os funcionários terão de refazer processos, atividades e conteúdos, o que certamente demandará mais tempo e recursos, além de impactar na produtividade. Portanto, é essencial investir em uma boa estratégia de segurança de dados na sua companhia para reduzir esses riscos citados.

Viu só como é importante que você esteja sempre atento ao tema segurança de dados? Para saber mais sobre este e outros assuntos, assine a nossa newsletter e receba o nosso conteúdo direto na sua caixa de e-mails.

Sobre o autor

Leucotron

Somos uma empresa de tecnologia em telecomunicações que atua no mercado brasileiro há mais de 30 anos, sendo reconhecida como uma das mais importantes na área de telefonia IP e convencional.

Atualmente, somos líder no segmento de hotelaria. São mais de 300 concessionárias parceiras, que oferecem centrais de PABX, softwares de telefonia e as mais inovadoras soluções em comunicação com foco no aumento da produtividade de pequenas, médias e grandes empresas de todas as regiões do Brasil.

Deixar comentário.

Share This