Ambient Computing: saiba mais sobre a convergência tecnológica
Tecnologia da Informação

Ambient Computing: saiba mais sobre a convergência tecnológica

Ambient Computing: saiba mais sobre a convergência tecnológica
Escrito por Leucotron

Muitas empresas estão digitalizando sua arquitetura em uma tentativa de melhorar a eficiência e a experiência do cliente. Como parte desse processo, os sistemas de software oferecem maneiras mais automatizadas de fornecer valor naquelas situações que antes exigiam a intervenção física dos seres humanos para tomar decisões entre dois ou mais sistemas corporativos.

Ao longo do tempo, esses sistemas evoluíram a partir da criação de fluxos de trabalho automatizados, abrindo caminhos de comunicação e integrando diferentes sistemas de dados.

Eles desenvolveram fluxos de trabalho inteligentes, nos quais alguma forma de aprendizado de máquina conduzirá decisões específicas do contexto para o usuário final. Essa combinação e evolução de interfaces tecnológicas é chamada de ambient computing, e é sobre isso que falaremos neste artigo. Acompanhe!

A ambient computing

Para entender a ambient computing, precisamos primeiro entender a Internet das Coisas (IoT). Como sabemos, a IoT refere-se à matriz interconectada de dispositivos, objetos e computadores com identificadores exclusivos que são capazes de transferir dados por meio de uma rede sem interação de humano para humano ou de humano para computador.

A IoT está se tornando uma parte normal das infraestruturas corporativas. Tal como acontece com muitas tecnologias, é o pano de fundo “invisível” e de apoio às nossas vidas diárias, ajudando-nos a realizar várias tarefas em vários ambientes.

A IoT é composta de dispositivos de diversas complexidades e finalidades igualmente variadas, podendo ser eletrodomésticos conectados à internet, vigilância inteligente na comunidade, dispositivos portáteis, carros inteligentes, alto-falantes domésticos inteligentes e muito mais.

Mais do que a soma de seus dispositivos, a Internet das Coisas liga as tecnologias para criar serviços e oportunidades.

Para realizar esse potencial, as organizações devem olhar além das “coisas” físicas e do papel dos sensores, máquinas e outros dispositivos como sinais e atuadores — desenvolvimentos importantes, sem dúvida, mas apenas parte do quebra-cabeça.

A inovação vem de reunir as partes para fazer algo de valor diferente — ver, compreender e reagir ao mundo ao seu redor por si próprio ou ao lado de seus equivalentes humanos. É aqui que a ambient computing entra!

A razão de a ambient computing existir

A computação ambiente envolve abraçar esse cenário de detecção e tomada de ação potencial com um ecossistema de coisas que podem responder ao que realmente está acontecendo nos negócios — não apenas fluxos de trabalho estáticos e predefinidos, scripts de controle e procedimentos operacionais. Ela oferece recursos para:

  • integrar o fluxo de informações entre vários tipos de dispositivos de uma ampla gama de fabricantes globais com tecnologias e dados proprietários;
  • realizar análises e gerenciamento de objetos físicos e eventos de baixo nível para detectar sinais e prever impactos;
  • garantir a segurança dos dispositivos, da conectividade e da troca de dados.

A ambient computing acontece quando essa coleção de recursos está em vigor — elevando a IoT além de permitir e coletar informações para usar a malha de dispositivos e sinais para fazer algo pelo negócio, mudando o foco da novidade de objetos conectados e inteligentes para processos e modelos de negócios.

Implicações cibernéticas

Habilitar a Internet das Coisas requer várias camadas lógicas e físicas, trabalhando juntas de maneira transparente. Sensores de dispositivos, chips de comunicação e redes são apenas o começo.

Os serviços adicionais em ambient computing agregam ainda mais camadas: integração, orquestração, análise, processamento de eventos e mecanismos de regras. Finalmente, há a camada de negócios — as pessoas e os processos que dão vida aos cenários corporativos.

Nesse cenário, uma das implicações mais óbvias da segurança cibernética é uma explosão de vulnerabilidades potenciais, geralmente em objetos que historicamente careciam de conectividade e inteligência incorporada. Por exemplo, máquinas, instalações, frotas e funcionários podem agora incluir vários sensores e sinais, todos potencialmente comprometidos.

Os CIOs podem tomar medidas para manter os ativos seguros considerando a logística cibernética antes de colocá-los no ambiente de TI. Idealmente, os processos de fabricação e distribuição têm os controles apropriados. Quando não o fazem, os dispositivos de segurança podem exigir uma adaptação arriscada e potencialmente disruptiva.

Tais medidas de precaução podem ser complicadas pelo fato de que o acesso físico aos dispositivos conectados é difícil de proteger, o que deixa a porta aberta para novos vetores de ameaça.

Adotar uma abordagem ampla para proteger a ambient computing exige passar da conformidade para o gerenciamento de risco proativo. Medir continuamente as atividades em relação a uma linha de base do comportamento esperado pode ajudar a detectar anomalias, fornecendo visibilidade entre camadas e em junções.

Por exemplo, um equipamento de construção conectado tem um conjunto bastante completo de comportamentos esperados, como sua localização, horas de operação, velocidade média e quais dados são reportados.

Detectar qualquer coisa fora das normas previstas pode desencadear uma série de respostas, desde o simples registro de um problema em potencial até o envio de um sinal de eliminação remota que torna o equipamento inútil.

Desafios para as empresas

Com o tempo, os padrões de segurança se desenvolverão, mas, no curto prazo, devemos esperar que eles sejam potencialmente tão ineficazes quanto aqueles que cercam a web.

Podem surgir abordagens mais eficazes para gerenciar os pontos de interação entre as camadas, de forma semelhante a como uma rede de malha segura lida com acesso, interoperabilidade e monitoramento entre componentes físicos e lógicos.

Finalmente, projetos avançados e engenharia de ambientes de feedback provavelmente serão necessários para ajudar os humanos a trabalhar melhor com máquinas, e as máquinas funcionam melhor com humanos.

Monitorar o desempenho e a confiabilidade dos sistemas ambientais provavelmente será um desafio contínuo, exigindo o design de interfaces humanas e máquinas mais relevantes, a implementação de algoritmos de automação eficazes e o fornecimento de ajudas decisivas para aumentar o desempenho de humanos e máquinas trabalhando juntos — de maneiras que resultem em atributos híbridos (humanos e técnicos) seguros, vigilantes e resilientes.

Como abordar a ambient computing no seu negócio

A ambient não deve ser encarada como apenas uma extensão natural dos dispositivos móveis, nem dedicar o foco inicial às capacidades dos smartphones, tablets e wearables — embora algumas semelhanças se mantenham.

Nesses casos, o verdadeiro valor comercial veio da tradução de recursos de TI para realizar os processos de maneira diferente. Como a computação ambiente está adicionando conectividade e inteligência a objetos, há menos risco de ver as oportunidades apenas por meio das lentes dos processos e problemas atuais.

No entanto, as amplas possibilidades e o amplo impacto de cenários convincentes em setores como varejo, manufatura, assistência médica e setor público dificultam a percepção do potencial do futuro. Mas isso não é impossível.

Dependendo do cenário, os benefícios podem estar em eficiência, inovação ou mesmo em um equilíbrio de redução de custos e geração de receita.

Os líderes de negócios devem elevar as discussões da Internet das Coisas para o poder da ambient computing, encontrando um problema de negócios concreto para explorar, analisando de forma mensurável e lançando as bases para alavancar a nova era da máquina para a verdadeira ruptura dos negócios.

Este conteúdo foi útil para você? Compartilhe-o em suas redes sociais e amplie a discussão sobre o assunto com os seus parceiros de negócio!

Powered by Rock Convert

Deixar comentário.

Share This